quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Cem mil visitam Darwin

Entre 70 a 100 mil pessoas vão passar, a partir de hoje e até 24 de Maio, pela Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, onde está patente uma exposição sobre a vida e legado de Charles Darwin. ‘A Evolução de Darwin’, é considerada a "melhor exposição sobre Darwin em toda a Península Ibérica", conforme afirmou Mariano Gago, ministro da Ciência e Tecnologia. Poderá ser vista de terça-feira a domingo, entre as 10h00 e as 18h00, por 4 euros.




A expectativa junto do público mais jovem é enorme, tanto mais que as 600 visitas programadas para grupos de alunos estão esgotadas há mais de um mês e meio, existindo ainda uma lista de espera com centenas de escolas. "Essa é a nossa grande aposta. Às escolas que não conseguiram acesso a uma visita guiada, estamos a disponibilizar exactamente o mesmo material pedagógico que fornecemos às outras. Isso inclui uma biografia de Darwin, um livro ilustrado sobre evolução e manuais de visita detalhados", afirmou ao CM o biólogo José Feijó, comissário científico da exposição.

A iniciativa está inserida nas comemorações dos 200 anos do nascimento de Charles Darwin e dos 150 anos da publicação do livro ‘A Origem das Espécies’, obra que mudou a forma como a Humanidade se via a si própria até à época.

Os grandes focos de atracção são, de acordo com José Feijó, a reconstituição da figura do naturalista inglês e a réplica do barco ‘HMS Beagle’. Quem visitar a exposição vai poder encontrar logo à entrada um Charles Darwin, em tamanho real, a observar um escaravelho na mão esquerda. A réplica foi feita por Elisabeth Daynss, com base em registos fotográficos do inglês, responsável por reconstituições famosas como a de Tutankhamon.

"Nesta antecâmara, a ideia é fazer uma ‘lavagem cerebral ao visitante’ de forma a que o visitante se depare com o mesmo cenário da época que antecedeu a Darwin", explicou José Feijó, realçando a importância deste ambiente: "É uma época de debate de ideias que motivou os interesses e as descobertas de Darwin."

Após esta viagem ao passado, o visitante entra num percurso alucinante de descobertas científicas que marcaram a Humanidade para sempre. Nos oito espaços distintos da exposição, estão em exibição vídeos sobre Darwin, a réplica do navio ‘HMS Beagle’ e um espólio riquíssimo de vários museus nacionais e internacionais.

INVESTIMENTO DE 1,3 MILHÕES

Para concretizar esta exposição foi necessário um investimento de 1,3 milhões de euros. "O objectivo não era criar algo que acabasse no final da exposição. Será algo maior que terminará com a construção de um museu permanente em Oeiras no final de 2011. Até lá, a exposição irá percorrer várias cidades do Mundo", explicou José Feijó.

FIGURAS-CHAVE DA EVOLUÇÃO HUMANA

1735 – Carl Linnaeus sugere que as plantas descendem de um antepassado comum. Publica ‘Sistema Naturae’, a base da taxinomia moderna.

1858 – Alfred Russel Wallace envia um ensaio a Darwin, no qual apresenta ideias sobre a evolução natural das espécies, pressionando Darwin a escrever ‘A Origem das Espécies’.

1865 – O monge checo Gregor Mendel investiga o caracter hereditário. As suas ideias só serão, contudo, reconhecidas no século XX.

1925 – O professor norte-americano John Scopes é condenado, no que ficou conhecido como o ‘Julgamento do Macaco’, por ensinar a Teoria da Evolução no Estado do Tennessee.

1933 – O extermínio na Alemanha Nazi baseou-se em experiências eugenistas, na Califórnia, onde 60 mil pessoas foram esterilizadas.

1953 – Descoberta a estrutura do ADN por James Watson e Francis Crick. Conhecido o código genético, surge a oportunidade de estudar a biologia molecular da evolução.

CRIACIONISMO CONTESTA EVOLUÇÃO

Na exposição da Gulbenkian está patente uma escada de ADN com 3,6 metros de altura que assinala a descoberta do código genético. Este avanço na Ciência não diminuiu a polémica nos EUA, existindo escolas que recusam ensinar a Teoria de Evolução de Darwin por acreditarem na criação divina. O ex-presidente Bush na campanha de 2000 defendeu o tratamento igual para as duas correntes.

CRONOLOGIA

1809

Charles Robert Darwin nasce a 12 de Fevereiro em Shrewsbury, em Inglaterra, no seio de uma família abastada. O pai, Robert Waring Darwin, era um reconhecido médico inglês que tentou recrutar o filho para a mesma profissão.

1825

Após uns primeiros anos de rebeldia, o pai decide dar um rumo a Darwin, inscrevendo-o no curso de Medicina na Universidade de Edimburgo. Dois anos depois, Charles Darwin abandona os estudos.

1831

A 27 de Dezembro, Charles Darwin deixa Plymouth a bordo do Navio de Sua Majestade Beagle. Com apenas 22 anos, dá início a uma viagem que terminaria em 1836. A primeira paragem foi em Cabo Verde.

1835

Em Setembro chega às ilhas Galápagos, onde as observações de Charles Darwin lhe permitem sustentar a teoria da evolução apresentada mais tarde.

1839

Em Maio, Charles Darwin publica ‘A Viagem do Beagle’ no qual descreve a aventura de cinco anos. No mesmo ano casa-se com a prima Emma Wedgood, com quem tem dez filhos. Muda-se para uma quinta em Downe onde morre.

1859

Uma reflexão de 20 anos até publicar o livro ‘A Origem das Espécies’, apresentando a sua teoria da selecção natural.

1871

Darwin publica ‘A Descendência do Homem’ demonstrando que Homem e macaco têm o mesma origem.

1882

A 19 de Abril, Charles Darwin morre com 73 anos, sendo enterrado na Abadia de Westminster.

INICIATIVAS

RECEITA DE BOLO

Receita de bolo de aniversário do cientista que a esposa, Emma, realizava. Disponível em www.darwin2009.pt.

RÉPLICA DO CIENTISTA

Réplicas do cientista e de hominídeos podem ser vista no Parque Biológico de Vila Nova de Gaia.

DIÁLOGO COM A ESPOSA

Conversa entre o cientista e a esposa Emma, no Centro de Ciência Viva de Aveiro.

ESPÓLIO NACIONAL

Exposição no Museu de História Natural da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto.

IMPACTO NA CIÊNCIA

4.º Ciclo de Conversas na Aldeia Global: ‘Do Mundo Fechado ao Universo Infinito’, no Auditório da Biblioteca Municipal de Oeiras, pelas 21h30, a 12 de Setembro, 12 de Março e 16 de Abril.

ZOO

Em colaboração com o Jardim Zoológico de Lisboa, há animais vivos numa galeria anexa ao recinto da exposição, como tartarugas. A mostra na Gulbenkian integra também colecções de vários museus nacionais.

André Pereira
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...