terça-feira, 17 de dezembro de 2013

O ciclo do carbono

A luz do sol é, actualmente, 25 por cento mais intensa do que quando o sistema solar era ainda recente, o que deveria ter como consequência uma Terra muito mais quente. No entanto, o nosso mundo mal foi afectado por ela.
O que é que mantém o globo terrestre estável e fresco?
A vida. Um número monumental de organismos marinhos vivos de que a maior parte das pessoas nunca ouviu falar: foraminíferos, cocolitos e algas calcárias capturam o carbono atmosférico sob a forma de dióxido de carbono quando este cai na água da chuva e utilizam-no como parte constituinte das suas minúsculas conchas.
Até agora, os oceanos e as florestas da Terra (que também armazenam muito carbono) têm conseguido salvar-nos de nós próprios e da quantidade de dióxido de carbono que lançamos na atmosfera, mas, no futuro, há a possibilidade de ocorrer um aumento galopante e incontrolável do aquecimento da Terra. Não conseguindo adaptar-se, muitas árvores e outras plantas acabariam por morrer. Já houve ciclos como este no passado, mesmo sem o contributo do homem. Mas, felizmente, a natureza tem a capacidade de se regenerar. É quase certo que o ciclo do carbono acabaria por se reequilibrar, devolvendo ao nosso planeta a sua estabilidade e bem-estar. A última vez que isso aconteceu, demorou apenas 60 mil anos.
Anualmente, o homem despeja oito mil milhões de toneladas de carbono na atmosfera.
Sempre que o motor de um carro é ligado ou acendemos uma luz estamos a acrescentar dióxido de carbono à atmosfera. Em média, o contributo de cada cidadão português pode elevar-se a 1,6 toneladas de carbono por ano.
O degelo dos glaciares, as primaveras mais precoces e a subida da temperatura média a nível mundial são apenas alguns prenúncios do aquecimento da atmosfera por efeito de estufa.
As florestas, as savanas e águas dos oceanos absorvem cerca de metade do dióxido de carbono que emitimos, abrandam a sua acumulação na atmosfera e atenuam os seus efeitos sobre o planeta.
Verões abrasadores, temperaturas mais violentas, padrões de pluviosidade alterados e variações das espécies de flora e fauna são algumas das alterações mais suaves que o aquecimento global poderá provocar.
Se a natureza deixar de nos ajudar, é possível que nos confrontemos com mudanças drásticas antes de 2050. A catástrofe será rápida de mais para reagirmos.
A ciência promove soluções como automóveis alimentados a hidrogénio e a redução das emissões de gases com efeito de estufa, mas estas encontram-se ainda numa fase de realização muito precoce.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...